Planeta happo

o número de desperdicio diário de máscaras cirúrgicas em todo o mundo ultrapassa os 6 Mil Milhões

No âmbito da pandemia atual, a utilização de máscara é obrigatória para reduzir a propagação da infeção na comunidade, servindo de barreira para as gotículas e aerossóis expelidos, que são uma das principais formas de propagar o coronavírus SARS-CoV-2 (que causa a doença covid-19).

As máscaras cirúrgicas protegem da disseminação e/ou inalação de gotículas e têm uma capacidade de bloqueio igual ou superior a 95%, uma proteção equivalente às máscaras sociais especializadas e certificadas pelo Citeve cujo nivel de filtração seja superior a 95%. Hoje torna-se crucial, não só manter a segurança de todos, mas também considerar o que o impacto do uso intensivo de materiais descartáveis e posteriormente o seu desperdício, causa no meio ambiente.

As máscaras cirúrgicas são compostas por fibras de plástico e podem demorar até 400 anos a degradarem-se no ambiente o que as torna um grande factor de poluição, ao contrário das máscaras de tecido. Atualmente, o número de desperdicio diário de máscaras cirúrgicas em todo o mundo ultrapassa os 6 Mil Milhões.


As máscaras sociais devem ser utilizadas como complemento das medidas de proteção e higienização recomendadas fundamentais para o controlo da COVID-19 e como alternativa às consequências futuras nos nossos ambientes naturais.

Deste modo, a happo criou o movimento happo planet que promove a troca de máscaras cirurgicas por máscaras reutilizáveis, sem compromenter a segurança pública.